Please use this identifier to cite or link to this item: http://rigeo.cprm.gov.br/jspui/handle/doc/18879
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorROISENBERG, Ari-
dc.contributor.authorFREITAS, Marcos Alexandre de-
dc.date.accessioned2017-12-26T15:55:07Z-
dc.date.available2017-12-26T15:55:07Z-
dc.date.issued2016-
dc.identifier.citationFREITAS, Marcos Alexandre de. Hidrogeoquímica e isotopia de águas com alta salinidade do Sistema Aquífero Serra Geral na região do Alto Uruguai, Brasil. 2017. 195 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Geociências, Porto Alegre, 2017.pt_BR
dc.identifier.urihttp://rigeo.cprm.gov.br/jspui/handle/doc/18879-
dc.description.abstractO presente estudo dedicou-se à análise da água subterrânea com alta salinidade no Sistema Aquífero Serra Geral na região do Alto Rio Uruguai, norte/noroeste do Rio Grande do Sul e oeste de Santa Catarina. O Sistema Aquífero Serra Geral (SASG) é um aquífero fraturado que compreende rochas vulcânicas basálticas e riolíticas mesozoicas da Bacia do Paraná, recobrindo e confinando parcialmente o Sistema Aquífero Guarani (SAG), que se encontra sobreposto a aquíferos mais profundos (Pré-SAG). O objetivo principal desta pesquisa é aprimorar a compreensão dos fenômenos que regem a interação entre o SASG e os aquíferos sotopostos às rochas vulcânicas (SAG e Pré-SAG) e os seus reflexos na composição química do aquífero fraturado da região. Previamente foi realizada uma Análise Exploratória de Dados de um conjunto de 7.620 poços que continham informações de condutividade elétrica na área de ocorrência do SASG nos dois estados. Condutividades Elétricas superiores a 378,35µS/cm foram consideradas anômalas e são decorrentes de níveis de salinidade elevados nas águas do SASG, muitas vezes, inviabilizando-as para o consumo humano. Foram amostrados 39 poços do SASG na região em estudo que apresentavam anomalia na condutividade elétrica e 19 poços que captam águas do SAG. As águas foram quimicamente analisadas em relação aos elementos maiores, elementos-traço e isótopos estáveis (2H, 18O e 13C). Os dados físico- químicos obtidos foram processados através de Análise de Componentes Principais e posteriormente por Análise de Agrupamentos. A análise tectônica da área realizada através da interpretação de imagens de satélite permitiu constatar que o pacote vulcânico foi mais afetado nas direções N-60 a 80-W, N-70 a 80-E e EW. A salinidade das águas mostrou-se mais elevada nos poços influenciados por lineamentos morfoestruturais de direções N-30 a 45-W, N-15-30-W, N-30-45-E, N-60-75-E e E-W. As águas termais no SASG ocorrem somente a oeste da zona de falha Lancinha-Cubatão e na zona de influência do lineamento do Rio Uruguai. O estudo estatístico de agrupamento discriminou quatro grupos de águas, que possuem clara evolução hidrogeoquímica. Nesta evolução, a condutividade elétrica, as concentrações de cloreto, potássio, sódio, sais dissolvidos, sulfato e estrôncio sofrem incremento, enquanto o pH e o carbonato diminuem. A tipologia química das águas aponta para tipos bicarbonatados e sulfatados sódicos nos grupos I e II, enquanto o grupo III mostra águas sulfatadas sódicas a cálcicas. O grupo IV exibe águas cloretadas sódicas e cálcicas. As águas do grupo I estão intimamente relacionadas com a recarga ascendente do SAG. No grupo II ocorrem processos de mistura de águas do SASG com as águas do Pré-SAG. Nos grupos III e IV torna-se evidente a recarga ascendente a partir das Unidades Hidroestratigráficas Rio do Rasto e Teresina. A aplicação do geotermômetro de sílica para as águas termais demonstraram a circulação da água nos poços estudados atinge profundidades máximas da ordem de 3,0 km e, em sua maioria, situa-se entre 1,1 e 1,5km. O gradiente geotérmico médio calculado para a área de estudo é de 23,5ºC/km. Os mecanismos e elementos apresentados auxiliam como guias para decisões de gerenciamento do SASG na região.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsopenpt_BR
dc.subjectHIDROGEOLOGIApt_BR
dc.subjectHIDROGEOQUÍMICApt_BR
dc.subjectSISTEMA AQUÍFERO SERRA GERALpt_BR
dc.subjectÁGUAS SUBTERRÂNEASpt_BR
dc.subjectRECARGA ASCENDENTEpt_BR
dc.subjectISÓTOPOSpt_BR
dc.titleHidrogeoquímica e isotopia de águas com alta salinidade do Sistema Aquífero Serra Geral na região do Alto Uruguai, Brasilpt_BR
dc.typeThesispt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentInstituto de Geociênciaspt_BR
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Geociênciaspt_BR
dc.creator.affilliationCPRMpt_BR
dc.contributor.memberREGINATO, Pedro Antônio Roehe-
dc.contributor.memberSILVA, José Luiz Silvério da-
dc.contributor.memberMANCUSO, Malva Andrea-
dc.degree.localPorto Alegre, RSpt_BR
dc.subject.enUNDERGROUND WATERSen
dc.subject.enHIDROGEOLOGYen
dc.subject.enSERRA GERAL AQUIFER SYSTEMen
dc.subject.enHIDROGEOCHEMISTRYen
dc.subject.enRECHARGE UPen
dc.subject.enISOTOPESen
dc.degree.date2016-11-
Appears in Collections:Teses

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_marcos_freitas.pdfproducao cientifica11,86 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.