Please use this identifier to cite or link to this item: https://rigeo.cprm.gov.br/handle/doc/1176
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorFAULSTICH, Fabiano Richard Leite
dc.date.accessioned2014-04-07T13:44:26Z
dc.date.available2014-04-07T13:44:26Z
dc.date.issued2014
dc.identifier.citationFAULSTICH, Fabiano Richard Leite. Dolomitização e sulfetos (Zn) dos carbonatos neoproterozóicos da formação Araras, MT. Orientador: Marcel Auguste Dardenne. 2005. 79 f. Dissertação (Mestrado em Geologia)-Instituto de Geociências, Universidade de Brasília, Brasília, 2005.pt_BR
dc.identifier.urihttps://rigeo.cprm.gov.br/handle/doc/1176
dc.description.abstractestudos desenvolvidos para esta dissertação tiveram como objetivo um maior entendimento da ocorrência de esfalerita existente nos dolomitos da Formação Araras, Mirassol d’Oeste – MT. Para tanto foram realizados estudos de reconhecimento geológico regional e local, estudos petrográficos, estudos de geoquímica analítica, isótopos estáveis, isótopos radiogênicos e análises em inclusões fluidas. A Formação Araras é composta por uma porção basal constituída de dolomitos rosa diretamente sobrepostos aos diamictitos da Formação Puga e uma porção superior formada por calcários cinza. Os dolomitos rosa representam uma dolomitização precoce dos calcários depositados, com a formação de dolomitas microcristalinas que obliteram parcialmente as estruturas sedimentares. A região de interesse deste estudo está situada na transição entre os dolomitos rosa e os calcários cinza laminados aonde ocorreu uma dolomitização secundária pós-deposicional com a formação de dolomitas sacaroidais, esfalerita e geração de uma porosidade importante. Esse processo tardio de dolomitização é caracterizado pelo aumento relativo de metais (Fe, Mn, Sr, Al) evidenciado pelas análises geoquímicas. Os estudos isotópicos de carbono apresentaram valores de aproximadamente -4‰ PDB para o nível mineralizado, semelhante aos carbonatos associados ao fim da glaciação neoproterozóica aonde temos uma diminuição do carbono orgânico disponível. Os valores obtidos para o 18O e o 87Sr/86Sr neste mesmo nível foram <-10‰ PDB e 0,722 a 0,727 respectivamente, acentuando a ocorrência de reações diagenéticas associadas ao processo de dolomitização. O nível mineralizado ainda apresentou um enriquecimento em isótopos radiogênicos de Sr e Pb, o que indica que os fluidos percolaram rochas mais antigas da crosta, provavelmente os gnaisses e granitos do embasamento. Dados de inclusões fluidas indicaram que os fluidos formadores das esfaleritas eram muito salinos, com grandes quantidades de Ca dissolvido e possuíam temperaturas relativamente baixas (115 a 150°C). O conjunto de dados apresentados possibilita a classificação da ocorrência de esfalerita de Mirassol d’Oeste como sendo do tipo MVT. Por fim temos a percolação de um fluido pobre em metais que formou uma segunda geração de calcitas na borda de poros e posteriormente um fluido rico em matéria orgânica que preencheu os poros e vazios intergranulares de toda a seqüência carbonatada com betume.
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectGEOLOGIA ECONÔMICA
dc.subjectGEOQUÍMICA
dc.subjectPETROGRAFIA
dc.subjectBRASIL
dc.subjectMATO GROSSO
dc.titleDolomitização e sulfetos (Zn) dos carbonatos neoproterozóicos da formação Araras, MTpt_BR
dc.typeThesispt_BR
Appears in Collections:Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
fabiano faulstich.pdfproducao cientifica9,05 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.