Please use this identifier to cite or link to this item: http://rigeo.cprm.gov.br/jspui/handle/doc/336
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorLOPES, Francisco Nascimento-
dc.date.accessioned2013-12-10T19:02:09Z-
dc.date.available2013-12-10T19:02:09Z-
dc.date.issued2005-
dc.identifier.citationLOPES, Francisco Nascimento. Espectroscopia Raman aplicada ao estudo de pigmentos em bens culturais: I - Pinturas rupestres. São Paulo, 2005. Dissertação (Mestrado em Química)-Instituto de Química, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.-
dc.identifier.urihttp://rigeo.cprm.gov.br/jspui/handle/doc/336-
dc.descriptionDissertação Mestrado em Química-
dc.description.abstractNeste estudo amostras coletadas de pinturas rupestres foram analisadas para identificação do material utilizado; análises da sua interação e de processos eventuais de degradação, além de atribuições quanto à sua origem, foram também feitas através da espectroscopia Raman. Pigmentos encontrados em pinturas rupestres em Minas Gerais foram identificados, junto a produtos de degradação microbiológica. A partir dos resultados, foi feita uma caracterização da transformação de desidratação do pigmento amarelo de goetita (α-FeOOH) a hematita (α-Fe2O3) por espectroscopia Raman na tentativa de contextualizá-la no problema da origem da hematita encontrada nas representações. Foram identificados os pigmentos calcita (CaCO3) para o branco, carvão vegetal para o preto, goetita (α-FeOOH) para o amarelo e hematita (α-Fe2O3) para o vermelho, que constituem basicamente a paleta de cores desse período. Produtos de degradação microbiológica foram identificados por espectroscopia Raman e no infravermelho por ATR como sendo whewellita (CaC2O4.H2O) e weddelita(CaC2O4.2H2O). A transformação topotática de goetita a hematita por aquecimento foi acompanhada por espectroscopia Raman in situ e ex-situ e infravermelho, na tentativa de caracterizar o processo quanto às fases formadas, possíveis marcadores, de maneira a complementar resultados da literatura que utilizaram outras técnicas, como difração de raio-X (XRD) e microscopia eletrônica de transmissão (TEM). Esse estudo foi realizado na tentativa de determinar a existência de possível manipulação térmica desses materiais como sugerido em trabalhos anteriores. Em particular, nos espectros Raman, o comportamento diferenciado da banda em torno de 660 cm-1 e a maior largura das bandas de uma maneira geral, presentes na chamada hematita desordenada, perfil que as amostras naturais coletadas apresentam, são marcadores do efeito de temperatura, uma vez que parecem estar ligados mais estreitamente ao deslocamento catiônico dos íons Fe do que ao rearranjo da gaiola octaédrica de oxigênios ao redor destes, durante a transição a partir de goetita. Esse comportamento dos espectros Raman é confirmado pelos padrões dos difratogramas de raio-X. Concluiu-se que esse desordenamento, entretanto, não é causado somente pela temperatura e, dessa forma, não pode ser usado para atestar inequivocamente como sendo resultado de processamento dos materiais (goetita)-
dc.language1-
dc.subjectESPECTROSCOPIA RAMAN-
dc.subjectPIGMENTOS-
dc.titleEspectroscopia Raman aplicada ao estudo de pigmentos em bens culturais-
dc.localSão Paulo-
Appears in Collections:Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
diss_franciscolopes.pdfproducao cientifica10,32 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.